Google+ Followers

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Essa é a saúde desse país

     No finalzinho do mês de março desse ano, exatamente  no dia 20 de março, numa quarta-feira, era um dia como qualquer outro pra mim. Meu filho não tinha ido a escola, pois nesse dia teria conselho, passei um dia agradável com ele. No final do dia, já anoitecendo meu esposo chegou do trabalho, conversamos um pouco, e logo fomos dormir. 
     Foi então que meu dia bom começou a se tornar ruim. Comecei a ter dores nas costas, e nenhuma posição estava sendo agradável para mim. Virava de um lado para o outro e nada. Já era 21:30 horas, então pedi água para meu esposo. Bebi um copo, e pedi mais, quando terminei de beber o segundo copo, tive que sair correndo para o banheiro, me deu um mau estar, e acabei colocando para fora toda água que havia bebido.
     Então a dor piorou, era dor renal, a dor só aumentava,  e meu semblante estava embranquecendo, e não parava de vomitar.
     Fui para o PA Central (pronto atendimento central), lá já não conseguia ficar de pé, me colocaram numa cadeira de rodas, me levaram para uma sala para verificar minha pressão, e logo me levaram  ao médico. Lá ele me encaminhou para a sala de medicamentos, e fui tomar soro. Já estava um pouco acostumada com isso, não tinha sido a primeira vez que eu ia ao médico com dores renais e tomava soro, a dor passava e voltava pra casa.

     Mas dessa vez foi diferente, o soro não fez a dor passar totalmente, retornei ao médico, já andando, mas sentindo dor ainda. Ele olhou pra mim e disse: "- é uma dor que dá pra aguentar né, pode voltar pra casa." Voltamos pra casa, mas não consegui dormir por causa da dor, pela manhã meu esposo foi trabalhar e falou pra que eu fosse no UPA (unidade de pronto atendimento), que tem perto de casa. Meu filho levantou, troquei ele com muita dificuldade, e ele com 5 anos foi me acompanhar ao médico. 
     Chegando lá, como eu estava andando demoraram para me atender, minha tia apareceu para me ajudar, e quando fui atendida, o médico olhou para mim  e me disse que meu problema era coluna e não renal, e me encaminhou para tomar soro para dor de coluna. Tomei, achando que dor passaria, além da dor piorar, comecei a vomitar muito mais. Quando voltei ao médico, para falar que o remédio não funcionou, fiquei sabendo que ele tinha ido embora, deixando um paciente na sala esperando ele, fiquei ali esperando uma meia hora até a outra médica aparecer.
     Quando ela me atendeu, me encaminhou para tomar soro de novo, e pediu para eu fazer um exame de urina. E lá fui eu de novo, mas o que me importava era a dor passar. Já estava mais aliviada, a dor tinha parado, fui para casa com minha tia e meu filho, e logo fui deitar. Mas com as horas passando a dor estava querendo voltar. Não consegui comer nada, e somente vomitava.
     No outro dia retornei ao médico para pegar o resultado do exame e passar no médico, e a dor querendo voltar. Estava parecendo um fantasma de tão pálida que estava. Passando com outra médica, ela me encaminhou para tomar uma injeção e depois tomar soro com glicose, ela falou que estava preocupada, pois eu estava muito fraca. Mas não passou nenhum medicamento para tomar em casa.
     Voltei para casa, já era sexta e não conseguia nem sentir o cheiro da comida. No sábado, meu esposo foi para a igreja com meu filho e eu fiquei em casa, lá pelas 11 horas, a dores voltaram mais intensas, esperei meu esposo chegar e voltei ao UPA. Levei mais uma vez o resultado do exame, pedindo a Deus, que dessa vez eles me ajudassem. Quando ela viu o exame, olhou para mim e fez a seguinte pergunta: "- nesses três dias que você foi ao médico, nenhum te passou alguma remédio?", eu disse que não, ela olhou para mim, e me disse que eu estava com uma infecção muito forte, e que meu rim direito, não estava funcionando muito bem por causa da infecção.
     Voltei a tomar soro, mas dessa vez voltei para casa com uma receita médica, três remédio. O anti-inflamatório era muito forte, e a médica me disse que eu teria que ficar de repouso absoluto. Bom resumindo, fiquei sem comer por 7 dias e nesses 7 dias emagreci 4 quilos, mas graças a Deus, uma única médica realmente me ajudou, e agradeço por isso.
     Essa é a saúde de nosso país, onde eu estava com uma infecção no rim e um médico me disse que estava com problema de coluna. Tive que mudar minha alimentação para não ter que passar por tudo isso de novo, e peço sempre a Deus saúde, para não ter que precisar do SUS.






By Nessa Santos


A reprodução do conteúdo deste blog é proibido de acordo com a lei 9.610/98

2 comentários:

  1. Não sei nem nem o que dizer sobre essa sua experiência. Passei há pouco tempo uma semelhante, e constatei
    falta de organização, onde os exames que eu havia feito não me acompanharam em uma consulta com um cirurgião, fato que ele queria que eu refizesse novamente todos os exames novamente. Fora que como eu seria atendida pelo Sus a consulta foi marcada para as 7 da manhã e fui uma das últimas, somente as 11 passei pelo médico, isso porque moro em outra cidade, então tive que acordar as 5 da manhã!.Se os pacientes do SUS são os ultimos a serem chamados porque marcam cedo d+? e se já estava consultando com um especialista, porque cópias dos exames ou pelo menos um laudo não foi comigo? Tudo isso só mostra a falta de organização, falta de gestão e de comprometimento, de imperícia médica, de descaso com o cidadão que paga seus impostos..... esqueci alguma coisa?......

    ResponderExcluir
  2. Ah, se tivéssemos uma saúde padrão FIFA, o país seria outro. Bom dia, minha cara amiga e leitores.

    ResponderExcluir